MISSÃO : SÍNTESE LIVRO – OVELHA OU PROTAGONISTA?

Mensagem de Sua Santidade Papa Francisco para o dia mundial das missões 2017
20 de outubro de 2017
O DIÁCONO PERMANENTE E A EVANGELIZAÇÃO DAS FAMÍLIAS E PEQUENAS COMUNIDADES
20 de outubro de 2017

MISSÃO : SÍNTESE LIVRO – OVELHA OU PROTAGONISTA?

O ponto chave do livro “Ovelha ou Protagonista?” consiste na visão de que as pessoas no mundo de hoje estão mais questionadoras e não aceitam modelos de conduta impostos, por pessoas ou instituições. Isso se dá em virtude da evolução cientifica e da revolução industrial, onde foi exigido um maior poder de decisão e uma maior autonomia por parte das pessoas. Agora, o conhecimento não está nas mãos de instituições ou pessoas e sim ao alcance de todos. E esse acesso ao conhecimento fez com que o senso crítico das pessoas se tornasse mais apurado, além de modificar a visão de mundo e seus anseios.

O autor, Renold Blank, pautou em três pontos que são obstáculos ao protagonismo por parte do laicato, sendo: A primeira a respeito da interiorização da consciência de ovelha, devido a hierarquia eclesiástica, por parte do próprio leigo. Isso foi perpetuado por séculos, onde o bom católico era aquele que se colocava na obediência absoluta e sem questionamentos. O segundo ponto é a própria estrutura hierárquica rígida que impede a verdadeira participação do leigo, fazendo com que o leigo fique na base da pirâmide e não participe das decisões da própria igreja. E o terceiro obstáculo é a dicotomia criada devido a formação de duas classes dentro da igreja. Essas duas classes se resume em uma classe ordenada e outra não ordenada, cabendo a essa última a obediência completa à primeira.

Assim, diante desses obstáculos surgem três exigências para se contornar essas situações: A primeira exigência é a de que o leigo deve recuperar a sua consciência de responsável pela missão de Cristo e da Igreja, pois este é também um agente responsável de transformação do mundo e da própria Igreja. A segunda exigência se refere a abertura das estruturas fechadas e a promoção da verdadeira comunhão e participação. E a terceira exigência refere-se a quebra da dicotomia classista existente dentro da estrutura clerical, onde não pode haver distinção de pessoas e cargos de poder.

No livro é citado também as 5 mentalidades do leigo, sendo: As “Ovelhas”, as quais não desejam se emancipar e se prendem aos valores tradicionalistas. Os “Consumidores”, que se acostumaram com uma igreja que presta serviços e exige estes serviços como lhe apraz. Os “Emancipados”, os quais são acostumados a resolver os problemas da vida e a participar dos processos de decisão. Este, como são questionadores, diante dos desgostos e frustrações partem para uma evasão silenciosa(emigração silenciosa). Uma vez que não aceitam tutela e estruturas prontas. A quarta categoria abrange os “Resignados”, os quais não tem a esperança de que a igreja possa mudar e não se vêm acolhidos. A última trata do perfil dos “Revoltados”, onde a sua maioria são de pessoas engajadas e que diante das experiências frustrantes ou da exclusão também assumem a postura de evasão.

Blank ainda nos chama a atenção ao dizer:

“Se ela(Igreja) não é capaz de responder aos anseios das pessoas, se ela não consegue acender a chama da esperança no seus corações, então as pessoas vão embora e buscam outras respostas.”

A mensagem central a ser transmitida é a necessidade de se quebrar essa estrutura hierárquica e inacessível, de uma casta que está no poder das decisões e que se tornam inatingíveis diante de uma ortodoxia legalista e que impedem a participação verdadeiramente comunitária de todo povo de Deus. Todo esse argumento tem como embasamento, pelo autor, o Concílio Vaticano II, o qual é citado por diversas vezes ao longo do livro.

Com isso, faz-se necessário que a Igreja se apresente e ofereça argumentos novos para que possa dialogar com a mesma linguagem dos povos do século XXI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *