Maria: a serva missionária do Pai

Mensagem sobre fundamentalismo e intolerância contra símbolos da fé
7 de novembro de 2017
Maria: Essência do Plano de Salvação
7 de novembro de 2017

Maria: a serva missionária do Pai

Amados irmãos e irmãs, iniciamos o mês de outubro, mês repleto de celebrações e comemorações. Se trata de um mês dedicado às missões, tendo por padroeira Santa Teresinha do Menino Jesus. Celebramos também, já na primeira semana, de 01 a 08/10 a Semana Nacional pela Vida, tendo como ápice o dia do nascituro, todos pela defesa da vida, para que todos tenham vida e a tenham em abundância (cf. Jo 10,10).  O tema escolhido para esta semana é:“Bendito é o fruto de teu ventre” (Lc 1,42).

A Igreja no Brasil se prepara com muito entusiasmo para celebrar a festa dos 300 anos de sua padroeira, Nossa Senhora Aparecida, também padroeira de nossa Diocese de Itabira-Cel. Fabriciano. Durante todo o período de preparação, as dioceses do Brasil receberam a imagem peregrina de Nossa Senhora e, muitos devotos tiveram a oportunidade de acolher e venerar àquela a quem Deus nos deu por Mãe.

“A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída”, este é o tema escolhido pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM) para a Campanha Missionária de 2017 que será trabalhada durante todo o mês de outubro.

A Igreja é, por sua natureza, missionária. Eis a sua essência. Todos nós nos tornamos missionários pelo batismo e nos comprometemos a evangelizar diante do mandato missionário de Jesus: “Ide e fazer com que todos se tornem meus discípulos” (cf. Mt 28,19).

A primeira de muitas atitudes do missionário deve ser a mansidão. “O Espírito do Senhor está sobre mim, eis porque me ungiu e mandou-me evangelizar os pobres, sarar os de coração contrito… anunciar o ano da graça” (cf. Is 61,1-2).O verdadeiro missionário, assim como Jesus tem ensinado, acolhe amorosamente a todos.Ser missionário pressupõe um amor fraterno, sempre crescente, para com aqueles a quem o missionário evangeliza. E a referência deste amor é o próprio Deus que nos enviou o seu Filho. Por isso, assim como Cristo saiu do Pai, assim o missionário deve ter a disposição de sair de si para ir ao encontro do outro, até às periferias existenciais, como nos fala o Papa Francisco.

O missionário tem a importante missão de levar a Boa Nova a um mundo angustiado e sem esperança, impaciente ou ansioso, e manifestar uma vida irradiante de fervor e da alegria de Cristo.

“Não sou eu sozinho a viver a missão, mas sou eu e outros cristãos, na comunidade da qual participo e com outras comunidades também. Cada um de nós é chamado a ser missionário e a viver como missionário,que a missão nos faça mergulhar na vida de Jesus” (D. Esmeraldo Barreto de Farias – Bispo Auxiliar de São Luís do Maranhão-MA).

O Papa Francisco, na Exortação Apostólica “A Alegria do Evangelho”, propõe cinco atitudes para os evangelizadores, como pessoas e comunidades em missão (EG 24):

  1. Ir na frente: a comunidade missionária experimenta que o Senhor tomou a iniciativa, precedeu-a no amor (cf. 1Jo 4,10). Por isso, ela vai à frente, vai ao encontro, procura os afastados e chega às encruzilhadas dos caminhos para convidar os que estão à margem.
  2. Envolver-se: com obras e gestos, os evangelizadores entram na vida diária dos outros, encurtam as distâncias, abaixam-se e assumem a vida humana, tocando a carne sofredora de Cristo no povo. Contraem assim o “cheiro de ovelha”, e estas escutam a sua voz.
  3. Acompanhar: a comunidade acompanha a humanidade em todos os seus processos, por mais duros e demorados que sejam. Conhece e suporta as longas esperas. A evangelização exige muita paciência, e evita deter-se nas limitações.
  4. Frutificar: o missionário mantém-se atento aos frutos, porque o Senhor o quer fecundo. Cuida do trigo e não perde a paz por causa do joio. Encontra o modo para que a Palavra se encarne na situação concreta e dê frutos de vida nova, apesar de imperfeitos.
  5. Festejar:os evangelizadores, cheios de alegria, sabem festejar. Celebram os passos dados, cada vitória. E se alimentam da liturgia.

Estas atitudes estão antecipadas em Maria, a mãe de Jesus. Ao olhar para ela, vemos que Maria é o modelo dos discípulos missionários: Maria sai na frente, indo depressa ao encontro de Isabel (Lc 1,39). Em Caná, toma a iniciativa, quando percebe que falta o principal da festa (Jo 2,1-12). Maria se envolve inteiramente na missão de educar Jesus. Quando este se torna adulto e parte em missão, ela acompanha discretamente seu filho. Diante da cruz, Maria assume a missão de mãe de toda a comunidade dos seguidores de Jesus (Jo 19,26). Porque Maria tem fé, escuta a Palavra, medita no coração e a frutifica. Bendito é o fruto de seu ventre, diz Isabel! (Lc 1,42). Por fim, ela sabe festejar. Seu cântico de louvor começa com uma explosão de alegria: “Minha alma engrandece o Senhor. E se alegra meu espírito em Deus, meu Salvador” (Lc 1,46).

Neste mês acontece a Coleta no Dia Mundial das Missões. O objetivo principal da Campanha Missionária é sensibilizar, despertar vocações missionárias.É preciso animar as pessoas para que vivam a missão em suas respectivas realidades, não somente no sentido pessoal, como também na família, no ambiente profissional e na comunidade em geral.

Rezemos de forma especial pelo Santo Padre, o grande missionário, mas também por todos que se dedicam à obra de evangelização. Que sejamos um para que o mundo creia (cf. Jo 17,21).

Que Maria, a Senhora Aparecida, nos inspire para evangelizar com generosidade, ousadia, persistência e alegria. Que o Senhor Jesus desperte nosso coração, mobilize nossos pés e nos leve por caminhos novos, a serviço da humanidade.

 

+ Dom Marco Aurélio Gubiotti
Bispo Diocesano de Itabira – Coronel Fabriciano
“Pela Graça de Deus” (1Cor 15,10)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *